quinta-feira, 15 de outubro de 2009

As salas de fumo

Sentados, encostados, de pé, um propósito ali os junta a todos. Tão diferentes, tão semelhantes na sua miséria: um cigarro debaixo de telha.
Depois do primeiro impacto da Lei do Tabaco, alguns centros comerciais começaram a subverter as coisas e a adaptar espaços, mais ou menos estranhos, para os seus clientes fumadores darem largas ao vício. No Colombo por exemplo há uns "retiros" mesmo junto à zona da restauração, separados desta por uns tabiques que nos dão pela cintura, e que têm no tecto uns tubos enormes, supõe-se que para atirar para longe o maléfico fumo. Tarefa inglória porque cheira a tabaco por todo o lado.
E ali se reunem os adictos, olhando-se todos como se de repente um laço solidário existisse entre eles, uns sózinhos, outros, mais sortudos, com parceiros de vício.
É uma sensação estranha a que se experimenta nestes locais, fujam deles....

3 comentários:

João Paulo Videira disse...

Todos os comentários poderiam começar por "Freud explica isso..."
Neste caso acho que sobretudo!

AnaLee disse...

A sério? E eu que acabei de escrever noutro lado que tu és um tipo muito mais poético que eu...

jpvideira disse...

E sou mas tenho direito às minhas falências, a um momento menos bom... e Freud continua a explicar isto tudo...