sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

São Valentim


Um dia destes, a seguir à saga do Dia dos Namorados, alguém me dizia muito sentido:

_Tenho mulher e duas amantes. Nem um rebuçado recebi no dia 14!

Tentei animar o pobre, dizendo-lhe que talvez fosse uma daquelas situações como às vezes ao fim do dia vivemos nas Escolas:
De repente são sete da tarde e sobrou um aluno que ninguém vai buscar porque a mãe crê que é dia do pai lá ir e o pai está convencido que é a mãe que hoje apanha a criança...

_De certeza que foi isso pá, cada uma das três pensou que a outra se encarregaria de assinalar o dia...

_Pois, vejo que gozas com a minha cara. Tudo bem, pensa o que quiseres!

Vi que a coisa era séria e acabei por lhe dizer com um ar mais composto que talvez a coisa não fosse assim tão grave; bem pior do que não receber nenhum presente, seria ter recebido, por exemplo, um par de chifres... ou três...

Amuou e virou-me costas. Fiquei no entanto a pensar que deveria ter sido menos jocosa e ter tido a capacidade de expressar solidariedade. Afinal de contas, alguém que assim espalha amor, merece uma recompensa.

Enfim, talvez os homens sejam mesmo uns sentimentalões, eu também não recebi nada e não me queixo! Bem sei que não tenho tanta gente de cujo esquecimento reclamar...

2 comentários:

João Paulo Videira disse...

a moça está viva e bem viva! Adorei. E ri. Já não ria de ler há algum tempo... Obrigado. jp

AnaLee disse...

Obrigada! Devias rir muito. Faz bem!