sexta-feira, 29 de maio de 2009






Na vida nada se resume à simplicidade do preto ou branco; há gradações de cinzento e um espectro de nuances que é o que complica tudo.
Não sei se era mais fácil não havendo.
Sei que quando se mistura contradição, cansaço, desilusão, nostalgia, saudade, impotência e uma grande dose de nem sei o quê, é bom, em nome da sanidade mental, procurar a simplicidade.
E este tema é um hino à simplicidade a que há muitos anos recorro. Nem sei se não o publiquei já por aqui...

1 comentário:

Isabel Pedrosa Pires disse...

Tens um mimo merecido no Bilros.
Beijos